Do estúdio independente Subset Games, os mesmos desenvolvedores do aclamado FTL: Faster Than LightInto the Breach é um jogo de estratégia por turnos lançado em 27 de fevereiro deste ano para PC. Apesar de ser fã do gênero, confesso que não criei muitas expectativas para o jogo, principalmente por nunca ter jogado FTL. Felizmente, Into the Breach me surpreendeu positivamente.

Controlando uma equipe de três capitães, cada um com seu respectivo robô gigante de batalha, você deve proteger a humanidade de uma invasão de monstros chamados Vek. Apesar de ser uma comparação clichê, os paralelos com o filme Círculo de Fogo, de 2013, dirigido por Guillermo del Toro, são inegáveis. Existem quatro ilhas a serem protegidas no jogo, cada uma com seu próprio tema. Apesar de haver uma ordem obrigatória durante a primeira jogatina, as ilhas podem ser completadas em qualquer ordem em um eventual replay.

ITB_ss_1
Cada ilha possui um tema próprio, e elas podem ser completadas em qualquer ordem a partir da segunda tentativa.

O objetivo principal, que abrange todas as fases continuamente, é evitar que edifícios civis sejam destruídos pelos Vek. Uma barra na parte superior da tela, chamada Power Grid, indica quantos edifícios ainda podem ser destruídos antes do Game Over. Cada fase, porém, oferece objetivos próprios que, quando cumpridos, recompensam o jogador com bônus (entre 1 e 3 por fase). Esses bônus podem ser:

  • Reputation: Ao final de cada ilha, quando a mesma é defendida por completo, os pontos de Reputation podem ser utilizados para comprar novas habilidades e armas para os robôs, além de pontos de Power Reactor Cores.
  • Power: Pontos de Power preenchem o Power Grid, aumentando o número de edifícios civis que podem ser destruídos antes do Game Over.
  • Reactor Cores: Podem ser utilizados para melhorar uma habilidade específica dos robôs, além de sua vida total e quantidade de movimentos que podem ser realizados.
  • Time Pods: Os Time Pods aparecem aleatoriamente nas fases. Eles, se seguros durante a batalha, podem ser abertos, contendo Reactor Cores e/ou um novo capitão, que poderá substituir um dos seus capitães atuais.
ITB_ss_4
As fases fornecem objetivos extras, que podem resultar em bônus para o jogador.

Quando um robô é destruído, o capitão que estava dentro dele morre, e não pode ser ressuscitado. Caso todos os capitães sejam mortos, o jogo acaba. Em um Game Over (que deve ocorrer frequentemente, dada a dificuldade alta do jogo), um dos capitães utiliza uma tecnologia para voltar no tempo. O jogador pode escolher um capitão sobrevivente para voltar, mas os outros capitães e todos os upgrades dos robôs são perdidos. Nem tudo é tragédia, porém. Quando um jogo acaba, o jogador recebe algumas moedas, que podem ser gastas na compra de novos robôs, com novas habilidades. A composição do time de três robôs pode ser feita do jeito que o jogador desejar, bem como as cores de cada robô.

ITB_ss_5
Após o Game Over, um dos capitães pode ser trazido de volta como um viajante do tempo.

O gameplay do jogo não se limita às convenções do gênero de estratégia por turnos. A capacidade de ver exatamente os movimentos de cada inimigo, incluindo seus ataques, antes que os mesmos sejam executados, incorpora elementos de puzzle às fases, por exemplo. Como os movimentos de cada robô são limitados e os mapas são pequenos, cada ação parece uma decisão de vida ou morte.

A dificuldade do jogo pode parecer esmagadora a princípio, mas à medida que o jogador entende as mecânicas e se sente mais confortável com a dinâmica das batalhas, ela se torna desafiadora, encorajando o jogador a tentar de novo e de novo.

ITB_ss_2
A habilidade de ver o que cada inimigo fará no turno seguinte aproxima Into the Breach ao território de puzzle, além do de estratégia por turnos.

A interface de utilizador é complexa o suficiente para comunicar todas as informações necessárias e simples o suficiente para não sobrecarregar o jogador. As instruções são muito claras, e em nenhum momento me senti confuso ou me perguntando o que deveria fazer a seguir.

Os gráficos são baseados em um estilo de pixel art bidimensional que consegue transmitir um sentimento de horror, presente no jogo a todo tempo. As construções são futuristas e tomam liberdades artísticas em seus designs, mas nenhuma parece inacreditável ou destoa do resto dos cenários.

Os diálogos, que aparecem em determinados momentos por meio de caixas de texto, juntamente com os gráficos, conseguem, por incrível que pareça, criar laços entre o jogador e os capitães. Em certos momentos, me senti genuinamente apegado aos personagens, e com o coração apertado quando um deles morria. É fantástico como Into the Breach consegue passar todos esses sentimentos através de gráficos bidimensionais e caixas de diálogo.

ITB_ss_3
Os gráficos do jogo transmitem um sentimento de pavor, que seria natural durante uma invasão de insetos gigantes.

Sinceramente, eu não vejo muito propósito na venda de trilhas sonoras de jogos individualmente. Em geral, as músicas dependem do resto do jogo para fazerem sentido. Mas, após ouvir a trilha sonora de Into the Breach, composta por Ben Prunty, a venda da trilha sonora separadamente na Steam foi totalmente justificada para mim. Os desenvolvedores não se limitaram a incluir músicas que apenas seguem o ritmo do jogo, criando obras de arte inspiradas nos clássicos de ficção científica que funcionam extraordinariamente bem tanto individualmente quanto no contexto do gameplay. Inclusive, estou ouvindo ao álbum completo neste exato momento, enquanto escrevo esta análise.

Essa espantosa qualidade sonora não para nas músicas. Todos os sons foram muito bem escolhidos, transmitindo uma noção de peso às coisas. Os ruídos das armas atingindo os inimigos, juntamente com os gráficos e o alto nível de dificuldade, tornam a morte de cada Vek impactante e gratificante.

Into the Breach foi criado por uma desenvolvedora que, tendo lançado apenas um outro jogo em sua história, não tinha muito da minha admiração. Agora, tendo jogado esta aventura, um misto de estratégia por turnos e puzzle, me encontro em um estado de incomensurável maravilhamento por receber essa surpresa tão agradável de um lugar tão inesperado. Eu já consigo ver Into the Breach no topo das listas de fim de ano.


Conclusão

Muito mais que um jogo de estratégia por turnos, do que um jogo com temática de ficção científica ou do que mais um jogo indie qualquer em pixel art, Into the Breach é uma obra prima. Difícil sem ser injusto, complexo sem sobrecarregar e familiar sem ser clichê, ele é perfeitamente balanceado para proporcionar uma experiência singular.


O melhor

  • Liberdade para jogar qualquer fase na ordem desejada
  • Elementos de fácil entendimento, que não sobrecarregam o jogador
  • Dificuldade encorajadora
  • Gráficos e trilha sonora trabalham juntos para uma atmosfera de horror
  • A ideia de morte permanente promove apego emocional aos personagens

O pior

  • Pode ser curto para quem prefere jogar a campanha apenas uma vez

10/10

(Cópia para análise gentilmente cedida pela Subset Games)

 

Anúncios

1 comentário »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s