Análises

Bubsy: The Woolies Strike Back – Análise

Em 1992, a desenvolvedora Accolade lançou o jogo de plataforma Bubsy in Claws Encounters of the Furred Kind, que introduzia um novo mascote para competir contra Sonic e Mario. Esse era Bubsy, um lince que veste uma camiseta branca com um grande ponto de exclamação estampado. Seriam lançados outros dois jogos até o último jogo da série, Bubsy 3D: Furbitten Planet, de 1996, considerado um dos piores jogos da história. O novo jogo da franquia, considerado um reboot, não faz muito para revivê-la.

O jogo começa com uma cutscene, que apresenta a simples história do jogo. Uma raça alienígena chamada de Woolies roubou o novelo de lã dourado de Bubsy, e o herói parte para resgatá-lo. Uma história praticamente irredutível, mas oferece um objetivo, cumprindo seu papel.

Screenshot_1
A história do jogo é simples, mas sua objetividade é suficiente.

A primeira coisa que se vê no início da jogatina é o mapa do mundo. Parece pequeno, e realmente é. Aqui estão localizadas as 13 curtas fases do jogo, divididas em três regiões: o gramado, o deserto e o espaço. Cada uma das regiões possui um chefão, e cada um deles é derrotado do mesmo jeito. Ao iniciar a primeira fase, de nome Reservoir Cats, conclui que Bubsy deveria ter ficado em 1996 e que esse reboot foi um grande erro.

O jogo apresenta apenas três tipos de inimigos, que são apenas variações dos Woolies. Tal invariabilidade torna o jogo monótono, e não dá a sensação de avanço real. Bubsy pode realizar três movimentos, além de se mover horizontalmente: saltar, planar e atacar, se atirando para a frente. É o suficiente para o que o jogo requer, mas a imprecisão dos controles torna cada gesto dolorosamente difícil de se realizar, e frustra qualquer um. Principalmente nas áreas que demandam precisão nos saltos, minha única vontade era de jogar o controle à parede, após repetidas mortes que deveriam ser creditadas à má movimentação do jogo, e não a mim.

Screenshot_4
Todos os inimigos são exatamente iguais.

A trilha sonora é o pior ponto do jogo. As músicas são, além de excessivamente genéricas e esquecíveis, curtas, o que resulta em um loop constante que amplifica a vontade de finalizar o jogo rapidamente, para nunca mais ter que ouvir tal calamidade musical. Efeitos sonoros são raros, e todos podem ser facilmente encontrados em sites que disponibilizam esses sons gratuitamente, demonstrando a falta de esforço e de carinho dos desenvolvedores com o jogo.

Não fosse em HD, Bubsy: The Woolies Strikes Back poderia se passar por um jogo da sexta geração de consoles, considerando seus terríveis efeitos de iluminação e texturas abomináveis. O design de níveis é mal-feito, o que faz todas as fases parecerem exatamente a mesma, com exceção dos fundos, que mudam de acordo com a região. Como se não bastasse, o estilo gráfico do jogo é insosso, parecendo ter sido feito por uma máquina, e não por um ser humano, por sua genericidade.

Screenshot_3
Bubsy: The Woolies Strike Back parece um jogo lançado há mais de 10 anos.

Conclusão

Bubsy: The Woolies Strike Back é uma tentativa infeliz de reviver uma franquia que deveria ter se mantido morta. Todas as características do jogo são repetitivas e insípidas, o que me leva a acreditar que esse jogo foi feito a partir de um pensamento corporativo, e não a partir de alguém apaixonado pela série.


O melhor

  • Enredo cumpre seu papel
  • A campanha dura apenas uma hora

O pior

  • Controles revoltantemente imprecisos
  • Inimigos repetitivos
  • Músicas curtas, repetitivas, genéricas e esquecíveis.
  • Efeitos sonoros baratos
  • Terríveis texturas e efeitos de iluminação
  • Design nos níveis inautêntico
  • Estilo gráfico insosso e sem criatividade

2/10

Anúncios
Comments (1)
  1. This is the GOTY 2017

Deixe uma resposta

Anúncios
Anúncios
Anúncios
Anúncios
Não perca nenhuma novidade!
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: