Análises

GRIS – Análise

Jogos contemplativos são arriscados. Quando funcionam, geralmente funcionam muito bem, mas quando não… o melhor é sair de perto. GRIS, o primeiro jogo desenvolvido pela barcelonense Nomada Studio e publicado pela Devolver Digital no dia 13 de dezembro de 2018 para PC e Switch, felizmente parece se encaixar na primeira categoria.

GRIS é um jogo de plataforma que busca elementos de outros gêneros, mais especificamente de aventura e puzzle, para contar a comovente e minimalista história da protagonista que dá nome à obra. Toda a estética e design simples do jogo facilitam a abordagem de temas como auto-descobrimento, luto e sentimentalidade.

GRIS___Screen_15
GRIS aposta em uma estética e design minimalistas.

O jogo começa com uma cutscene incrível que define o tom de toda a jogatina. As animações fluidas, sentimentalidade e emoção sem a necessidade de diálogos, as experimentações com aquarela e a trilha sonora inigualável tornam a primeira impressão inesquecível. A protagonista acorda nas mãos de uma estátua e, ao tentar cantar, é consumida por uma substância preta que a faz cair ao chão. De lá começa o gameplay.

Os controles são muito simples. De início, Gris só pode correr e pular, mas outras habilidades vão sendo incrementadas lentamente durante o percurso da história. Essas novidades nunca sobrecarregam o jogador, e mesmo com todas desbloqueadas a jogabilidade continua simples. O design dos níveis e do mundo também é descomplicado, mas inteligente para tornar os puzzles minimamente desafiadores.

87ad4946682bed514f0d2ecf23f445ee
design dos níveis é simples, mas inteligente.

Às vezes, me senti confuso devido à falta de diferenciação entre elementos interativos e os que se encontram no background foreground. O distanciamento excessivo da câmera em alguns momentos também impossibilitou a visão clara da personagem.

GRIS não é sobre a objetividade do desafio, e sim sobre as sensações que provém dele. Portanto, ele nunca se torna verdadeiramente difícil. Mesmo assim, a dificuldade se mantém a um nível ideal para ainda oferecer um incentivo ao jogador. Na minha experiência, completei o jogo em cerca de três horas, e o incentivo ao replay é praticamente zero. Devido a isso, pode ser considerado caro para alguns. Pessoalmente, julgo que o jogo é suficientemente longo e soube terminar magistralmente e na hora certa.

ka9fgqhas5sio9tx2u00
GRIS foca mais na sentimentalidade do que no desafio objetivo.

A atmosfera de GRIS é altamente imersiva, e recomendo fortemente jogar o jogo com fones de ouvido e som alto, para obter a melhor percepção de cada detalhe. Uma intensa concentração na tela, nos gráficos e nas animações é igualmente aconselhada. Também julgo que a melhor maneira de jogar o jogo é em uma única sessão do início ao fim, para que não se perca a sequência de emoções proposta pelos desenvolvedores.

Os gráficos minimalistas se utilizam de traços finos e aquarela para criarem uma das melhores direções de arte de todos os tempos. Os objetos, os personagens, os cenários, tudo contribui para criar uma sensação de fascínio e, ao mesmo tempo, angústia. O brincar da câmera, que joga com as escalas, aliado ao forte contraste de cores, criam um espetáculo aos olhos. As animações são extremamente fluidas e um prazer de se ver.

zvnpffwff0em3mwhbpyl
A direção de arte é uma das melhores de todos os tempos.

A imagética impactante, vagamente surrealista e abstrata, me lembrou de obras de Salvador Dalí como Girafa em Chamas A Tentação de Santo Antônio, por sua vastidão e formas distorcidas, além de estética de sonho. Essa imagética tenta capturar de forma relativamente racional as emoções humanas, e consegue provocá-las com certa facilidade.

Uma atmosfera de respeito só está completa com uma trilha sonora a par de tudo. E felizmente, este é o caso em GRIS. As músicas predominantemente compostas por pianos e violinos acompanham os movimentos da personagem. Além disso, esses poucos instrumentos tornam a introdução de um novo, como um órgão em certa parte do jogo, ainda mais impactante. As músicas também sabem dar espaço ao silêncio, o que é muito importante em um jogo contemplativo como esse.

Os sons do ambiente foram muito bem escolhidos para não quebrarem a atmosfera que sustenta todo o jogo. As poucas vozes que se ouve são agradáveis e polidas.

hyeif6sq4m6k68ifwv1r
A atmosfera imersiva é o que sustenta GRIS.

É para obras-de-arte como GRIS que os jogos contemplativos existem. Apesar de surgirem várias bombas do gênero que podem frustrar os que procuram produtos de qualidade, são experiências mágicas como esta que fazem tudo valer a pena.


Conclusão

Desde a primeira cutsceneGRIS mostra a que veio. Abraçando totalmente o minimalismo, ele sabe balancear a sentimentalidade com a reflexão, o ruído com o silêncio, para criar uma experiência como nenhuma outra. Este jogo é verdadeiramente uma obra-de-arte.

Anúncios
Previous Article
Desert Child - Análise
Next Article
Celeste – Análise
Comments (2)

Deixe uma resposta

Anúncios
Anúncios
Anúncios
Anúncios
Não perca nenhuma novidade!
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: