Análises

The Evil Within 2 – Análise

O novo jogo da Bethesda chegou para mostrar porque veio. Lançado no dia 13 de outubro de 2017, para Xbox One, PS4 e PC, The Evil Within 2 conta com elementos de suspense e terror nos momentos certos para criar um cenário brutal e assustador para a cidade fictícia de Union.

The Evil Within 2 é um jogo survival horror que se passa três anos após seu antecessor. O protagonista, Sebastian Castellanos, desempregado, passa as noites “perseguido” pela morte de sua filha Lily, seja em sonhos ou pensamentos. Em uma noite qualquer, foi em um bar para afogar suas mágoas, e é surpreendido pela antiga parceira Kidman, que fala que sua filha está sim viva. Portanto, para salvá-la é preciso voltar a uma realidade virtual chamada STEM, criada pela empresa Mobius, que não administrou bem isso e se tornou incontrolável. O protagonista aceita, achando que nada poderia ser pior, e é aí que o jogo começa.

TEW2_July_01_legal
A história de The Evil Within 2 se passa três anos após o fim da história de The Evil Within.

Admito que nunca fui de jogar títulos desse gênero. Porém, logo de cara, percebi que não fiz uma escolha errada ao querer jogar. The Evil Within 2 é certamente bem melhor que o primeiro, já que já começa com uma cena original e amedrontadora, o primeiro encontro com Lily. Sua casa está em chamas e você tem que salvá-la. Mas tudo não passa de um mero sonho, como todos os outros. Logo percebemos que o jogo quer nos surpreender de cara, e consegue com facilidade prender a atenção.

No jogo, a história é dividida em capítulos, onde, em cada um, o objetivo é atravessar os distritos da cidade de Union, enfrentando alguns bosses e, pelo caminho, coletando surpreendentes elementos que eu classifico como se fossem de RPG, como o Gel Verde (uma substância nojenta do jogo de regenera vida). O cenário é bem mais aberto que o anterior, que era muito linear e enjoativo. Na questão de história, porém, o jogo peca bastante. Vários personagens precisavam de uma história e não a tem – todos os agentes antigos da Mobius precisavam de um motivo melhor para estarem ali, e tinham que ter uma personalidade. Em vários pontos do jogo não há explicação decente e a narrativa fica confusa e rápida (não é à toa que o jogo tem em média 16 horas de gameplay).

the_evil_within_2_gamescom_screen_12-1152x642
Aqui, o cenário parece muito mais aberto quando comparado à linearidade do jogo anterior.

Quanto à trilha sonora, o jogo é mediano. Cumpre suas necessidades, mas nada espetacular. Seus controles são relativamente complexos e leva um tempinho para se acostumar, principalmente nas partes do jogo em que você tem que “entrar no espelho”, onde você entra na sua base, para fazer as mudanças necessárias ao personagem. Se tratando de gráficos, Bethesda não se superou em relação aos seus jogos. O gráfico é idêntico ao de Fallout 4, por exemplo.

Conclusão

Apesar de seus fatos negativos, The Evil Within 2 chega para mostrar porque veio. Sua experiência apesar de tudo é incrível e desafiadora, e em certos momentos você pode deixar de lado alguns pontos incompletos da história para simplesmente se divertir (ou entrar em pânico simplesmente). Apesar de tudo, é sim um jogo importante para sua prateleira.

O melhor

  • Jogabilidade fluida e recursos incríveis para aprimoramento do personagem
  • Atmosfera imersiva
  • Tensão em praticamente todo momento do jogo
  • Bosses incríveis e desafiantes

O pior

  • Roteiro com erros grotescos
  • Alguns personagens mal estruturados ou sem sentido na trama

7,5/10

Anúncios
Previous Article
Cuphead - Análise
Comments (0)

Deixe uma resposta

Anúncios
Anúncios
Anúncios
Anúncios
Não perca nenhuma novidade!
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: