Análises

The Gardens Between – Análise

A desenvolvedora The Voxel Agents nunca foi muito reconhecida pelo público geral. Eles são um pequeno time que, antes de The Gardens Between, tinha desenvolvido apenas jogos para celular – sendo Train Conductor WorldPuzzle Retreat os mais famosos -, mas às vezes os melhores presentes vêm nos menores pacotes.

The Gardens Between é um jogo de puzzle que conta a história de Arina e Frendt, duas crianças que desenvolvem uma amizade a partir do momento em que se tornam vizinhos, gastando a maior parte de seus dias brincando ao redor de sua casa na árvore. Cada uma das fases de aparência surreal passa por momentos que vivem juntos, misturando a realidade com a fértil imaginação de ambos.

A capacidade do jogo de destacar objetos e situações que parecem banais e valorizar cada memória da infância dessas crianças é comovente.

TheGardensBetween-PromoImage4
A imaginação fértil de Arina e Frendt pode transformar os mais simples objetos em plataformas, obstáculos e mecanismos.

Cada uma das crianças tem uma habilidade única – Arina carrega um lampião que pode ser iluminado quando se aproxima de uma flor iluminada, enquanto Frendt pode manipular os mecanismos que alteram o leiaute da fase – que deve ser coordenada com a habilidade do jogador de avançar e retroceder no tempo para cumprir o objetivo principal: levar o lampião aceso a um altar presente no final da fase.

Os controles são extremamente simples. Apenas três teclas são utilizadas: a barra de espaço, para interagir com objetos, e as setas para a esquerda e direita, para retroceder e avançar o tempo, respectivamente. As mecânicas são gradativamente apresentadas sem nunca sobrecarregar o jogador. Isso não significa que os puzzles apresentados sejam fáceis.

TheGardensBetween-PromoImage3
Algumas fases apresentam um real desafio à capacidade de raciocínio do jogador.

É no design dos níveis aonde The Gardens Between mais peca. Por vezes, me senti frustrado pela lentidão na qual o tempo avança e retrocede, bem como pela repetição constante de algumas mecânicas em certas fases. Em alguns desafios, senti que a melhor solução para o problema seria o método de tentativa e erro, desencorajando o raciocínio. A maior parte do jogo, no entanto, felizmente escapa deste problema.

TheGardensBetween-PromoImage2
Determinadas seções do jogo são mais frustrantes do que divertidas.

O ponto alto do jogo são seus gráficos. Seu estilo singular é, ao mesmo tempo, divertido e nostálgico. The Gardens Between, sem proferir uma única palavra, consegue contar uma história que emociona, traz boas lembranças e faz refletir, simplesmente através de suas animações fluidas e cores vibrantes.

Os objetos que constituem as memórias de uma amizade de infância, vistos pelos olhos inocentes de Arina e Frendt, são exagerados, distorcidos e modificados. O mundo, para essas crianças, é um parque de diversões. Esse sentimento de descobrimento e admiração pelo mundo ao redor permeia o jogo em seu todo.

TheGardensBetween-PromoImage5
Os gráficos de The Gardens Between contam uma história por si só.

A trilha sonora, composta com a colaboração de Tim Shiel e Gotye (sim, aquele Gotye), ajuda a construir a atmosfera surreal e está sempre presente. Os sons, de alguma forma que eu não consigo compreender por completo, transmitem uma sensação de nostalgia, um misto de alegria e tristeza por relembrar memórias que já se foram e não mais voltam. Em certos pontos, porém, a música parece ultrapassar a atmosfera da fase, não se encaixando muito bem com o sentimento geral.

TheGardensBetween-PromoImage1
A junção de trilha sonora e gráficos concede uma atmosfera surreal ao jogo.

The Gardens Between é muito melhor como uma experiência narrativa do que como um jogo. Apesar de não ser muito inovador ou ousado em seu gameplay, a simplicidade de sua apresentação é o que o fortalece. Toda a sentimentalidade que envolve a infância, desde a formação de novas amizades à necessidade de deixar certas coisas para trás, está presente nesse jogo. Ao mesmo tempo, uma mensagem de esperança e de manutenção das memórias vividas com alguém especial também se mostra presente.


Conclusão

A infância é talvez a fase mais determinante da vida de todos nós. Ainda assim, é a fase que encaramos com mais tranquilidade. A simplicidade com que The Gardens Between fala sobre amizades e infância emociona, relembra e faz refletir. Jogar esse jogo é como reviver essas memórias, mesmo que por um curto período de tempo. Apesar de estar longe de ser um jogo perfeito, é uma experiência que eu acho que todos deveriam ter.

(Cópia para análise gentilmente cedida pela The Voxel Agents)

Anúncios
Comments (1)

Deixe uma resposta

Anúncios
Anúncios
Anúncios
Anúncios
Não perca nenhuma novidade!
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: