Análises

The Outer Worlds — Análise

Com a passagem do tempo, os jogos indie cada vez mais começam a poder competir com jogos de grandes publicadoras. Este fenômeno nunca foi tão evidente quanto em The Outer Worlds, obra de despedida da Obsidian Entertainment como desenvolvedora independente, publicada pela Private Division, antes da aquisição da empresa pela Microsoft. As categorias se misturam tanto que tive que explicar diversas vezes o porquê de ter incluído este jogo nas listas de fim de ano do The Game is a Lie.

Desta vez, a Obsidian deixou de lado a série Pillars of Eternity para criar uma nova propriedade intelectual que, quase como um golpe direcionado à Bethesda, é fortemente inspirada nos jogos recentes da série Fallout, em especial Fallout: New Vegas, desenvolvido pela própria Obsidian. E tal golpe não poderia surgir em um momento mais oportuno, tendo em conta o dano causado à sua marca por Fallout 76, desastre de críticas e vendas lançado alguns meses antes. Apesar dessa inspiração, The Outer Worlds se diferencia desde o princípio, com uma própria linha de história e um próprio universo a ser explorado, baseado no nosso Sistema Solar – um universo construído de forma bastante expansiva e surpreendentemente coerente.

O universo de The Outer Worlds é expansivo e coerente.

O jogo começa com a criação de personagem que, apesar de não ser tão profunda como em Monster Hunter: World, por exemplo, oferece opções bastante variadas que devem agradar qualquer jogador. Quando a jogatina começa de fato — e talvez por minha inexperiência com esse tipo de RPG expansivo — todas as possibilidades e estatísticas pareceram me sobrecarregar, mas rapidamente me adaptei às mecânicas e consegui entender com facilidade o que cada elemento do HUD queria dizer e quais eram meus objetivos.

O ponto mais alto do jogo é sua história – não apenas o seu tronco, mas todos os enredos marginais que a acompanham e são afetados por cada uma de suas escolhas. Todos os personagens são escritos de uma forma não-binária, criando assim cenários cheios de nuances e escolhas genuinamente difíceis de se fazer. Diferente de alguns outros grandes RPGs, as escolhas de diálogo não são divididas entre boas e más, ao invés disso afetando os personagens e histórias em questão de formas diferentes e pouco previsíveis – como na vida real. Me vi sinceramente emaranhado em algumas dessas histórias secundárias e tocado pelas personalidades apaixonantes dos seus companheiros de viagem.

As personalidades do jogo são realistas e apaixonantes.

Apesar do design dos inimigos ser bastante interessante e de apreciar a variedade étnica e de orientações sexuais no elenco de personagens, ter apenas humanos — e poucas vezes robôs bastante retrô — para interagir se tornou um pouco cansativo; como viagens espaciais são banais no jogo, esperava encontrar outras espécies inteligentes.

Quando se trata de jogabilidade, o jogo cumpre seu papel com um gameplay sólido de tiro em primeira pessoa, incluindo diversas possibilidades de customização de armas e armaduras. A dificuldade é equilibrada, e a curva de aprendizado oferece um desafio sem frustrar o jogador por demais. Também é possível alterar a dificuldade, alterando a vida dos inimigos e do jogador. O que me deixou mais feliz em The Outer World foi ver, nos menores detalhes, que a Obsidian respeita o jogador; não no sentido clássico da palavra, mas a desenvolvedora parece entender o que muitas não entendem – que o tempo não é infinito. Sendo assim, ela oferece várias pequenas opções e atalhos que, sem prejudicar o fluxo do jogo, tornam a experiência mais proveitosa. Por vezes, esses detalhes podem ser simplesmente opções cosméticas, como mostrar ou não o capacete dos personagens quando eles vestem um, entre outras, que mostram essa consideração e de certa forma humanizam o jogo.

O design dos inimigos é bastante criativo — o dos humanos, nem tanto.

A trilha sonora é o que se esperaria de uma aventura épica espacial, ganhando porém um toque especial por ter sido gravada por uma orquestra real, e não produzida por sons de um computador. Existem algumas cutscenes no jogo que, esporádicas, aparecem apenas quando estritamente necessário. Quando se trata de questões técnicas, o jogo me surpreendeu por ser bastante bem otimizado e polido.


Conclusão

The Outer Worlds é um dos maiores projetos independentes já criados, mas que de alguma forma parece muito humano. Seja por seus personagens apaixonantes, seu universo surpreendentemente coerente ou por suas pequenas opções de economia de tempo, é possível ver, durante todo o tempo, a humanidade por trás deste jogo. Por isso, é uma experiência que recomendo com todo o meu coração.

Anúncios
Comments (0)

Deixe uma resposta

Anúncios
Anúncios
Anúncios
Anúncios
Não perca nenhuma novidade!
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: